A inteligência do seu filho potencializada em apenas um nutriente

Na última semana de janeiro, participei de um evento aqui em São Paulo, realizado pela Alô Bebê e o blog Mamães Vaidosas, foi muito enriquecedor, e muitos profissionais agregaram com informações muito úteis. O Dr. Mario Cicero Falcão, Pediatra Nutrólogo, abordou muito sobre o DHA, e achei pertinente trazer para vocês.

Novidade entre as famílias o DHA (docosa-hexaenoic-acid ou ácido docosa-hexaenoico) é um nutriente que não pode faltar na alimentação da gestante, bem como das crianças. Abaixo seguem mais informações sobre o nutriente. 

O que é o DHA e por que devo consumi-lo?

O DHA é o principal tipo de ômega-3 e traz benefícios para a saúde ao longo de toda a vida, que vão desde o desenvolvimento das estruturas do cérebro e da retina, a partir da gestação, até a prevenção do declínio cognitivo na fase adulta.

 Quando devo consumi-lo?

Médicos recomendam consumir o DHA durante a gestação, amamentação e infância. 

           Gestação – A dieta materna é extremamente importante para o desenvolvimento cognitivo dos bebês, uma vez que é a única fonte de ácidos graxos, responsáveis pela formação do cérebro e dos olhos. O acúmulo desta gordura se dá principalmente no último trimestre da gravidez, e, portanto, durante esta fase, as futuras mamães devem ficar ainda mais atentas à alimentação.

O consumo de DHA neste período é essencial na formação de todas as membranas celulares do sistema nervoso central, ajuda a prolongar gestações de alto risco, aumentar o peso do recém-nascido, comprimento e circunferência da cabeça ao nascimento além de zelar da acuidade visual, coordenação mãos-olhos, atenção, resolução de problemas e processamento de informações.

 Amamentação – O cérebro tem seu crescimento extremamente acelerado na vida fetal e também nos primeiros anos de vida. O leite materno por muitos meses é o único alimento que a criança recebe, portanto é importante que haja uma boa suplementação da mãe para que o DHA seja passado para o filho, por isso, consuma sempre alimentos com DHA. Para os bebês menores de seis meses que não recebem o aleitamento materno, é recomendado que as fórmulas infantis prescritas contenham de 0.2 a 0.5% de seu total de lipídios sob a forma de DHA. 

 

            Infância – Sabe-se que a fase entre o nascimento e o final do segundo ano de vida é considerada como a principal para o crescimento do cérebro. No entanto, deve-se considerar que muitas áreas continuam se desenvolvendo ao longo da infância ou ainda até o final da adolescência, como é o caso dos lobos frontais e a estrutura óssea.

Os lobos frontais são responsáveis pela capacidade de compreender e analisar situações complexas, além de estabelecer quais as alternativas de decisão, como escolha e implementação das mais adequadas.

 Onde encontro o DHA?

Este nutriente pode ser obtido por meio da ingestão de peixes de águas profundas, como o salmão, sardinha, bacalhau entre outros, ou até mesmo por meio de suplemento. No caso de crianças abaixo de 01 ano, consulte o pediatra ou o nutricionista antes de introduzir os peixes. 

Qual é a quantidade recomendada?

É recomendado uma suplementação de 200 mg por dia, independentemente se a fonte for por meio de peixes ou os suplementos de DHA. Existe também a preocupação do uso de peixes de maneira criteriosa, uma vez que existem riscos de contaminação com metais pesados, e também a possibilidade dos animais que foram criados em cativeiro apresentarem um baixo teor de DHA, portanto é preciso tomar cuidado quanto a procedência do peixe e sempre falar com o seu médico para entender melhor a forma de incluir o nutriente na dieta.